Depois do Greenery, a maior autoridade do mundo quando se fala de cor escolheu o "Ultra Violeta" para o próximo ano.

Trata-se de um tom de roxo profundo que evoca "um estilo de contracultura, a tentativa de alcançar a originalidade, o engenho e o pensamento visionário", descreve a vice-presidente da Pantone Laurie Pressman às agências de notícias internacionais.

"Vivemos tempos complexos", diz. "Vemos medo de ir em frente e como as pessoas reagem a esse medo", comenta a responsável que acredita que esta cor pretende quebrar essa barreira do medo.

Para Laurie Pressman, esta cor pode ser aplicada à decoração de interiores, objetos, moda, arte, porque "reflete a ideia de viver não dentro ou fora da caixa, mas sem nenhuma caixa".

"Vejo-a como uma cor muito otimista, um cor que dá poder, capacidades", acrescenta.

Para Leatrice Eiseman, diretora executiva do Instituto Pantone, "vivemos num tempo que requer inventividade e imaginação". Para a responsável, o Ultra Violeta é um tom que desperta a atenção e o potencial de cada um "de explorar novas tecnologias", sendo que a cor em causa "ilumina o caminho para o que ainda está para vir".