Segundo o responsável, dos novos casos da doença registados (416), 58 são com infecção de HIV, sendo 38 femininos e 20 masculinos.

Esclareceu igualmente que o número de casos da doença aumentou durante os últimos meses do presente ano, em comparação com o ano passado, em que no mesmo período foram registados 332 novos casos, com 33 óbitos.

Explicou que durante o ano passado, 114 pessoas morreram de tuberculose naquela unidade sanitária, dos 1104 casos registados, sendo 190 deles com hiv.

Acrescentou ainda que 681 doentes, sendo 101 crianças e 580 adultos, estão a fazer tratamento ambulatório.

Quiala Gode, lamentou a insuficiência na unidade sanitária, de enfermeiros e de técnicos de laboratórios, para corresponder com a demanda do atendimento de doentes que ali são consultados.

Referiu que a instituição com 70 camas conta apenas com dois técnicos de laboratórios, quatro médicos e 14 outros enfermeiros.

Para o melhor acompanhamento dos doentes, o director geral do hospital sanatório, defendeu a necessidade do reforço de oito técnicos de laboratórios, 28 enfermeiros e mais médicos ligados a pneumologia.

Reconheceu que o hospital sanatório enfrenta nos últimos dois meses rotura de medicamentos e de alimentação para os doentes, uma vez que a instituição não beneficia do fornecimento regular do programa nacional de combate da doença.

“Neste momento temos problemas de rotura dos medicamentos da segunda fase. E isso tem condicionado que os doentes continuem com o tratamento, o que faz com que muitos deles abandonam a terapia”, esclareceu.

Face a situação, o médico defendeu a necessidade de reforço de mais medicamentos para evitar que doentes abandonem o tratamento, evitando-se assim o desenvolvimento de tuberculose resistente devido a falta de medicamentos da segunda fase.

Apontou ainda a inexistência de aparelhos de fibroscopia para doentes com dificuldades de escarrar, hemoterapia, incineradores e uma morgue, como sendo entre outras preocupações que dificultam o bom atendimento da população que procura os serviços da unidade hospitalar.