As descobertas, publicadas na revista Science, foram baseadas num estudo de 2010 em mulheres da África do Sul que usavam o medicamento microbicida Tenofovir, na forma de gel vaginal.

A droga mostrou sucesso na prevenção da infeção pelo vírus em homens de alto risco, mas os resultados dos estudos que envolviam mulheres foram "decepcionantes", lê-se no artigo.

Um ensaio de 2010 chamado CAPRISA 004 mostrou que o gel de Tenofovir, aplicado antes e depois do sexo, reduziu a incidência de infeção pelo VIH em 39%. Os investigadores examinaram o subgrupo de mulheres que foram infetadas pelo VIH/Sida durante o estudo.

Estas tendiam a ser portadoras de uma bactéria dominante conhecida como Gardnerella vaginalis, que "pode rapidamente metabolizar e quebrar a forma ativa do medicamento", conclui o estudo.

A Gardnerella vaginalis está associada a uma condição conhecida como vaginose bacteriana (BV).

A BV aumenta o risco de VIH/Sida porque piora a inflamação, afeta a parede vaginal e prejudica a cicatrização das feridas. Na África subsaariana, as mulheres têm altas taxas de prevalência de BV, de acordo com o artigo.

As mulheres com composições bacterianas vaginais mais saudáveis ​​- as dominadas pela bactéria Lactobacillus - apresentaram uma proteção três vezes maior contra o VIH/Sida do que as mulheres com diferentes composições de bactérias vaginais dominantes.

O estudo serve como lembrete de que "sem uma compreensão mais profunda da estrutura, função e dinâmica do microbioma vaginal, intervenções bem-sucedidas para otimizar e melhorar a saúde das mulheres continuarão elusivas", afirmaram Susan Tuddenham e Khalil G. Ghanem, da Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins, num artigo na Science que acompanha o estudo.

Leia também: 10 dúvidas comuns e frequentes sobre sexo e doenças

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.