Kueno Merquides Vieira Aionda, musico versátil e de voz "inconfundível”, falecido na passada quarta-feira (19), por prolongada doença, foi enterrado na presença de distintas figuras da música nacional.

Na mensagem de condolências em representação da classe artística do país, o cantor Dom Caetano destacou o contributo desse que foi um “pequeno” mas uma grande voz dos estilos kizomba, semba, zouk e balada.

Segundo Dom Caetano, a melhor forma de render homenagem ao Kueno Aionda é dar continuidade da sua obra, visto que foi uma das vozes mais querida da nova geração.

Durante a cerimónia fúnebre em nome dos amigos, o jornalista, Pedro Belo reconheceu as imensas qualidades do malogrado dentro da música e fora dos palcos.

Em jeito de agradecimento aos seus feitos em prol da música angolana, a margem da cerimonia foi cantada a musica “Isabel” e lida uma estrofe da canção “Tu vives em Mim”.

Autor de vários sucessos, que marcaram a sua carreira e pisando diversos palcos nacionais e internacionais, Kueno Aionda fez parte de uma geração de jovens artistas que, ao longo dos últimos 20 anos, têm dado grande contributo ao processo de promoção, divulgação, valorização e preservação da cultura angolana através da música.

Kueno Merquides Vieira Aionda nasceu em Luanda a 29 de Maio de 1986. Antes de ser uma referência no mercado musical, o autor de “Isabel” participou em diversos concursos musicais como “Canta Canta”, da Rádio Luanda, em 2002, e “Estrelas ao Palco”, da Televisão Pública de Angola (TPA), em 2003 e 2004.

Nos anos de 2005 e 2006 participou no festival da “Canção de Luanda”, promovida pela Luanda Antena Comercial (LAC), mas só em 2010 foi o grande vencedor do concurso. Ganhou o Prémio Revelação do Top dos Mais Queridos em 2012.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.