A casa de banho é uma das divisões da casa favoritas das crianças, que por lá se divertem bastante, sobretudo na hora de chapinhar na banheira. Mas também é um dos ambientes favoritos dos germes e, por isso, é necessário mantê-la sempre limpa.

Segundo estudos recentes, alguns itens encontrados nas casas de banho, aparentemente inofensivos, podem trazer sérios riscos à saúde dos miúdos. Entre os objetos capazes de transmitir doenças estão as toalhas húmidas partilhadas, os sabonetes e os brinquedos de borracha usados para distrair as crianças.

Brinquedos

Num estudo do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia Aquática, da Suiça, feito em parceria com a Universidade do Illinois, dos Estados Unidos, foram analisados dezanove tipos de brinquedos de banheira. Em 58% deles foram encontraram fungos. De acordo com os investigadores, os micróbios nadavam dentro dos brinquedos de borracha e, em quatro de cinco objetos analisados, a água libertada quando eram comprimidos continha “bactérias potencialmente patogénicas”. Entre as bactérias encontradas estavam algumas frequentemente associadas a infeções hospitalares, como a legionella. Por isso, os responsáveis pelo estudo aconselham que, durante o banho das crianças, não se esguichar água dos brinquedos para o rosto da criança de forma a evitar que ela entre em contato com as bactérias. Segundo a pesquisa, apesar de certas quantidades de bactérias ajudarem a fortalecer o sistema imunológico, também podem levar a infeções nos olhos, ouvidos e intestinos.

Toalhas

As toalhas de banho não devem ser partilhadas ou emprestadas, uma vez que, avisam os investigadores suíços e americanos, podem abrigar germes. A recomendação vale também para o caso das toalhas de mão, que costumam ser deixadas na casa de banho e são partilhadas pelas visitas. A vida dos germes nas toalhas pode prolongar-se por várias horas graças à humidade do tecido. Por isso, o estudo aponta para que se usem toalhas de papel descartáveis ou, então, toalhas de tecido individuais.

Sabonetes

O sabonete serve para lavar as mãos e o corpo, mas também não está livre de germes. Segundo John Oxford, especialista em virologia da Universidade Queen Mary, em Londres, as bactérias podem ficar alojadas no sabonete e passar de pessoa para pessoa. Por essa razão, o investigador aconselha que se dê preferência ao uso de sabonetes líquidos a fim de reduzir os riscos, principalmente quando há crianças em casa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.