Não precisar de ser um expert em economia para o conseguir. Em vez de desperdiçar o seu dinheiro, rentabilize-o de outras formas, tomando decisões que lhe permitirão poupar. Na altura da manutenção geral do jardim, o seu bolso também pode ficar mais aliviado. Descubra, de seguida, algumas das formas que lhe permitem amealhar ou reduzir o investimento ao prevenir e/ou tratar de pragas, ao cortar a relva e ao adubar o seu jardim.

1. Concentre as tarefas

Poucas coisas são tão nefastas para a produtividades como mudar de tarefas constantemente. Andar de um lado para outro, cavando e/ou podando, entre outros trabalhos necessários e habituais, apenas conduz à dispersão de trabalho, de tempo e até mesmo de materiais. Reserve um dia para poda, outro para cortar a relva e assim sucessivamente e certamente vai ganhar em produtividade.

2. Faça o seu próprio composto

Os resíduos de casa e do jardim constituem um autêntico tesouro muitas vezes desperdiçado. Se aproveitar estes resíduos para o jardim, vai poupar elevadas quantias em adubos e materiais de mulch. Apenas tem que colocar esses materiais no silo de compostagem, o que por si só é um investimento que se paga em pouco tempo.

3. Opte por um relvado rústico

Além de nunca ficar amarelado, o chamado relvado rústico ou pouco exigente, como a Cynodon dactylos ou o falso bambu-anão
(Festuca arundinacea), contribui para economizar materiais de manutenção, como adubos minerais (de que não necessita), até
muitas horas de máquina porque cresce menos.

4. Recicle a relva

Para evitar trabalho e reduzir gastos consideráveis, não deite fora a relva cortada. Aproveite os restos, que são dotados de muitos nutrientes, para forrar os alporques das árvores ou para juntar ao silo de compostagem para fazer composto caseiro.

5. Utilize uma biotrituradora

As biotrituradoras permitem obter a melhor matéria prima para o fabrico de composto para autoabastecimento dos maciços do
jardim. Existem biotrituradoras com motor elétrico e a gasolina, algumas delas bastante económicas. Numa fase inicial, a sua aquisição representa um investimento acrescido mas, com o passar do tempo, acabará por amortizá-lo.

6. Escolha bem as máquinas que usa

O trabalho no jardim é muito mais fácil se utilizar a ferramenta adequada para cada tarefa a realizar. Uma motosserra ligeira é ideal para trabalhos ligeiros, enquanto uma grande e pesada dispara o consumo de combustível, de óleo e sobretudo dá mais trabalho. De igual modo, uma enxada grande para plantar espécies pequenas torna o trabalho incómodo e cansativo.

7. Previna o ataque de pragas

Assim como as borboletas que dão mais cor ao verão e colocaram os seus ovos nas plantas que vão dar origem a lagartas, os pulgões e as cochonilhas têm o mesmo procedimento. Se pretende poupar dinheiro e trabalho na sua eliminação, faça fumigações preventivas no inverno.

8. Corte sempre a relva da mesma forma

Para cortar o relvado de forma cómoda e trabalhando menos de metade do que o habitual, deve cortar sempre da mesma forma, por partes, em zonas sem obstáculos. O objetivo é evitar curvas e mudanças de sentido, porque cada vez que a máquina para, o consumo aumenta e o seu cansaço também.

9. Trave os ataques fortes

A base da jardinagem é o equilíbrio biológico. As plantas não podem crescer sem fungos e bactérias associados às raízes, nem as árvores dariam frutos sem os insetos polonizarem as suas flores. Por tudo isto, os animais são necessários no jardim. Se tiver que eliminar alguns, que sejam os que colocam em perigo as suas plantações.

10. Invista em informação especializada

Informação é poder e, nos dias que correm, continua a fazer toda a diferença. Mantenha-se informado, investindo em revistas especializadas em jardinagem, como é o caso da Jardins, uma revista mensal repleta de dicas práticas e de conselhos muito úteis, também disponível online em e no SAPO Lifestyle. Além destes, existem outros sites de referência, nacionais e internacionais, além de aplicações móveis.