Só catorze porcento das mulheres utiliza método contraceptivo

Catorze porcento das mulheres angolanas em idade reprodutivo dos 15 aos 49 anos utiliza um método contraceptivo de acordo com dados do Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) 2015/2016 lançado pelo Instituto Nacional de Estatística.

Com sabor. Estão indicados para o sexo oral mas podem ser usados em outras práticas. Se o utilizar no sexo oral e, de seguida, for praticar sexo vaginal ou anal, utilize um novo preservativo, independentemente de ter havido ejaculação

O documento refere que existe uma maior adesão a métodos contraceptivos modernos, sendo que 13 porcento usa estes e apenas um porcento usa métodos tradicionais.

A nota acrescenta que entre os métodos modernos, o mais usado é a injecção contraceptivo, com cinco porcento, seguido da pílula, com quatro porcento, e do preservativo masculino, com três porcento.

O coito interrompido é o modelo tradicional mais usado com 0,6 porcento.

O inquérito indica que a prevalência contraceptivo varia segundo a idade, sendo oito porcento, entre as mulheres dos 15 aos 49 anos de idade, 18 porcento, entre as de 25 a 29 anos de idade, e três porcento entre as mulheres de 45 aos 49 anos.

O Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) foi realizado entre Outubro de 2015 e Março de 2016 e faz parte da Estratégia Nacional de Desenvolvimento Estatístico (ENDE) 2015/2025.

Para este trabalho, o INE contou com a colaboração do Ministério da Saúde (MINSA), assistência técnica do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), ICF Internacional, através do Programa de Inquéritos Demográficos e de Saúde (Programa Demographic and Health Survey-DHS) e do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP), este último no que tange ao produto "Projecção da População 2014-2050".

Dados da projecção indicam que até 2050 Angola terá uma população estimada em 67 milhões 927 mil e 825 habitantes.

Comentários