Os cremes branqueadores são, de longe, a prática mais comum quando se fala em clarear a pele. Atuam inibindo a produção de melanina, o pigmento que é sintetizado pela exposição ao sol. Os ingredientes que os compõem são principalmente hidroquinona, esteroides, chumbo e mercúrio.

Esses cremes podem ser inócuos em doses específicas e durante um tempo limitado, mas são perigosos se utilizados em concentrações mais elevadas ou durante longos períodos, segundo especialistas.

"Estamos a dar-nos conta de que as pessoas usam os produtos durante muito mais tempo do que o recomendado e que começam a ter efeitos secundários verdadeiramente nocivos", explica o médico e cirurgão plástico Rasheedah Adesokan, em Lagos, na Nigéria.

Algumas empresas começaram a etiquetar os seus produtos como "bio" para tranquilizar os seus utilizadores, acrescenta uma das suas colegas na capital económica nigeriana, a médica Isima Sobande.

Mas "na maioria das vezes, é somente uma etiqueta que esconde ingredientes nocivos", detalha.

Os efeitos secundários

No início, os utilizadores deste tipo de cremes costumam beneficiar dos primeiros efeitos branqueadores e "brilhantes" do creme. Mas para que o resultado dure precisam de continuar a aplicar o produto, sem o qual a pele recupera o seu pigmento, explica o cirurgião plástico Adesokan.

Com a passagem do tempo, a pele vai ficando cada vez mais irritada, mais fina e "marmorizada". Podem aparecer manchas roxas. "Existe um arroxeamento da pele e é possível ver as veias", explica o médico. No pior dos casos, as pessoas desenvolvem ocronose, que é a acumulação de ácido que faz com que a pele fique mais escura.

A utilização de cremes com esteroides também pode acelerar o crescimento de cabelo e provocar a formação de estrias.

Esses produtos são muito fáceis de conseguir. Às vezes, também os cremes de esteroides antibacterianos e antifúngicos disponíveis em venda livre são usados como agentes clareadores.

A nova moda

Uma das últimas inovações em termos de branqueamento da pele é um produto químico chamado glutatião, administrado em forma de pílula ou injeção e que é vendido na Internet, em lojas de rua ou em cabeleireiros.

Segundo Lester Davids, professor de Psicologia na Universidade de Pretória, na África do Sul, o glutatião é um "potente antioxidante" usado ocasionalmente em tratamentos contra o cancro. Os seus efeitos secundários são precisamente tornar a pele mais branca, continua Davids.

Nos últimos anos, "esta injeção começou a impor-se como um submercado do clareamento da pele", afirma o especialista.

O problema do glutatião, como o dos cremes, é a sua regulamentação. Mas, ao contrário dos cremes, há poucos estudos sobre os efeitos do uso deste novo produto por muito tempo. "Utilizar o glutatião não é ilegal, mas seja muito prudente, porque não conhecemos" a amplitude do seu risco, alerta Lester Davids.