Em declarações à Angop, Carlota Tati, indicou que a actual situação do INEMA em Cabinda "deixa a desejar, com a destruição e a sabotagem das ambulâncias e dos meios técnicos de apoio a emergências, situação que se vive desde a realização do CAN, cuja província de Cabinda acolheu uma das fases.

A secretária da Saúde em Cabinda, Carlota Tati, afirma ser urgente a tomada de medidas para que o INEMA tenha sua estrutura funcional, com um responsável capaz de dirigir o seu objecto em que foi criado.

Sublinhou que com o pensamento da reestruturação do INEMA em Cabinda, com quadros experientes neste ramo que mereceram estágios no exterior do país, concretamente em Espanha, Carlota Tati avança que o sector vai estar mais dinamizado e saberá responder as ocorrências de salvamentos e socorros que eventualmente venham a se registar.

Assegurou a recuperação de 10 ambulâncias paralisadas e que se encontram na unidade sanitária 28 de Agosto com a reposição das peças e baterias, sendo  cinco que poderão servir para apoiar unidades nas sedes municipais ou comunais.

Actualmente, o INEMA conta com três meios entregues pelo Governo da Província de Cabinda, passando a contar agora com quatro ambulâncias.