O produto foi apreendido em posse de dois angolanos que tentavam transpor a fronteira em direcção à República Democrática do Congo (RDC), informou hoje (segunda-feira) à Angop o porta-voz da Polícia Fiscal, inspector-chefe Luís Bernardo.

Segundo o oficial, os infractores incorrem ao crime de contrabando qualificado e de exportação, em concorrência com a falta de licença do Ministério da Saúde, que autoriza a importação e a exportação de produtos farmacêuticos.

Semanalmente, quantidades consideráveis de produtos, com destaque para medicamentos, têm sido apreendidas no posto fronteiriço do Luvo, que dista a 60 quilómetros da cidade de Mbanza Kongo, por infracções diversas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.