"Quando a homossexualidade se manifesta na infância, a psiquiatria pode desempenhar um papel importante para ajudar a perceber como as coisas são. Mas é outra coisa quando ocorre depois dos vinte anos", respondeu o papa a um jornalista, a bordo do avião que o transportava da Irlanda para Roma.

Questionado sobre o que diria aos pais com filhos homossexuais, o representante máximo da Igreja Católica afirmou que lhes pediria "que rezem, que dialoguem e que entendam, mas que não condenem".

Por fim, defendeu que o "silêncio nunca será uma cura" porque, sublinhou, "ignorar um filho ou uma filha com tendências homossexuais revela falta de paternidade ou maternidade", disse.

Com agências

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.