De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número de mortos passou de 5.175 para 5.334 (+159), enquanto o de infetados subiu de 189.434 para 195.875 (+6.441).

Os mesmos dados referem que o número de doentes recuperados é de 86.068, mais 3.180 do que no dia anterior.

A região do continente mais afetada pelo novo coronavírus continua a ser o Norte de África, com 2.291 mortos, em 56.251 casos.

A África Austral é a segunda região com mais casos (53.749) e 1.108 mortos, a maioria concentrada na África do Sul, o país com maior número de casos no continente, passando hoje os 50 mil (50.879) e o segundo com mais mortos, a passar nas últimas 24 horas a barreira dos mil (1.080).

A África Ocidental regista 836 mortos e 42.447 infeções, a África Oriental tem 662 vítimas mortais e 22.740 casos, enquanto na África Central há 437 mortos em 20.688 infeções.

O Egito é o país com mais mortos (1.271) em 35.444 infeções, seguindo-se a África do Sul e depois a Argélia, com 715 vítimas mortais e 10.265 infetados.

Marrocos totaliza 208 vítimas mortais e 8.302 casos, a Nigéria regista 354 mortos e 12.486 infetados, enquanto o Gana tem 48 mortos e 9.910 casos.

Entre os países africanos lusófonos, a Guiné-Bissau é o que tem mais infeções, com 1.389 casos, registando 12 mortos.

Cabo Verde tem 567 infeções e cinco mortos e São Tomé e Príncipe contabiliza 513 casos e 12 mortos.

Moçambique conta 433 doentes infetados e dois mortos e Angola tem 92 casos confirmados de covid-19 e quatro mortos.

A Guiné Equatorial, que integra a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), mantém há vários dias 1.306 casos e 12 mortos, segundo o África CDC.

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egito em 14 de fevereiro e a Nigéria foi o primeiro da África subsaariana a registar casos de infeção, em 28 de fevereiro.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 404 mil mortos e infetou mais de sete milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.