A companhia apresentou estes dados aos sindicatos na Comissão de Acompanhamento para a Estratégia de Ação para a Gestão do Amianto, criada em março.

Fontes da empresa disseram à agência EFE que "não há uma presença maciça de amianto" nas estações de Metro de Madrid e que na maioria dos casos o material tóxico encontra-se em lugares técnicos fechados, aos quais não têm acesso nem os trabalhadores do Metro nem os utentes deste transporte público.

Entre 2018 e 2021 haverá intervenção nas estações de Manuel Becerra, Príncipe de Vergara, Alfonso XII, Diego de León, Gran Vía, Pavones, Sainz de Baranda, Avenida de América, Alonso Martínez, Metropolitano, Ciudad Universitaria, Duque de Pastrana, Cuzco, Santiago Bernabéu, O'Donnell, Bilbao, Tribunal, Guzmán El Bueno, García Noblejas e Nuevos Ministerios.

De 2021 a 2023, o plano será aplicado às estações de Esperanza, Arturo Soria, Prosperidad, Artilleros, Estrella, Ibiza, Núñez de Balboa e Cruz del Rayo.

Este material tóxico também será eliminado de outras 25 estações entre 2023 e 2025, incluindo as estações de Concha Espina, Pío XII, Ventilla, Barrio del Pilar, Herrera Oria y Conde de Casal.

Primeiro caso de cancro associado ao amianto

O Metro de Madrid anunciou em março o investimento de 140 milhões de euros para a retirada de amianto em toda a rede, depois de ter sido divulgado o caso do primeiro trabalhador cujo cancro foi diagnosticado como estando associado à exposição àquele material tóxico.

Antes da entrada em vigor, em 2002, da proibição da produção, comercialização e instalação de produtos fabricados com amianto em Espanha, o Metro de Madrid pôs em marcha ações para identificar onde podia encontrar-se este material e evitar o contacto com ele.

A Procuradoria da Comunidade de Madrid abriu recentemente um inquérito-crime por eventual delito, a partir de denúncia da Inspeção de Trabalho, pela presença de amianto naquela rede de transportes da capital espanhola.

A Assembleia Municipal de Madrid constituiu a 13 de abril uma Comissão para investigar a presença de amianto no Metro de Madrid, promovida por três grupos da oposição: PSOE, Podemos e Ciudadanos.