O responsável, que falava durante a sessão de abertura do “5º Congresso sobre a Saúde Mental”, com o tema “ Saúde Mental dos Jovens Num Mundo em Mudança”, comemorado anualmente a 10 de Outubro, fez saber que o Hospital Psiquiátrico de Luanda (HPL)  atende diariamente cerca de 100 doentes por dia.

Para reverter este quadro, o secretário de estado frisou que o Eexecutivo está a elaborar a estratégia integrada sobre a saúde mental, álcool e outras drogas, para o reforço das acções do programa “Saúde Mental”, bem como a expansão dos serviços com psicólogos, clínicos e psiquiatras.

Para si, essa estratégia está a ser elaborada com o propósito de facultar mecanismos de controlo, tratamento, acompanhamento médico e consciencialização da população sobre os perigos da doença, de forma a reduzir a violência, homicídios e suicídios.

Segundo Leonardo Europeu, o plano visa garantir cuidados médicos mais próximo do doente, serviços implementados no sistema de rede integrada das províncias de Luanda, Malanje, Benguela, Huambo, Húila e Cabinda.

Por outro lado, a coordenadora nacional do programa de saúde mental e abuso de substâncias, Massoxi Vigário, reforçou que, dos mais de 67 mil casos assistidos nos últimos três anos, 54 mil 469 está na faixa etária dos 10 aos 49 anos de idade.

A responsável lamentou pelo facto de a maior parte desses casos acontecer maioritariamente em jovens, visto que a doenças mental está associada aos planos de vida que muitas vezes são traçados pelos indivíduos, com maor incidência por falta de emprego e inserção no ensino escolar.

“ Infelizmente, alguns casos acabam em tragédias, porque muitos vendo o seu projecto de vida frustrado cometem suicídio”, rematou.

O país conta com três hospitais psiquiátricos, nas províncias de Luanda Huambo e Huíla.