Em declarações à Angop, o responsável referiu que, do número de vítimas mortais, 158 são homens, 310 mulheres, 18 crianças e cinco gestantes.

O município do Lubango foi o que mais se evidenciou com 424 óbitos, seguido da Matala, com 30, num universo de 132 mil e 471 casos testados em 135 Centros de Aconselhamento e Testagem Voluntária (Catv's), controlados a nível do Departamento Provincial da Huíla da Saúde Pública e Controlo de Endemias.

Questionado sobre o aumento de óbitos na província, Levy Gomes sublinhou que o estigma, a falta de fármacos, aliada à falta de informações sobre a necessidade de adesão às consultas para se inteirarem do seu estado serológico e o abandono no tratamento anti-retrovirais, estiveram na base do crescente número de mortes.

Durante o ano 2019, o Programa de Luta Contra a Sida distribuiu, igualmente, um milhão 155 mil e 426 preservativos, além de folhetos e outras brochuras sobre as formas de prevenção e alerta sobre o perigo da doença.

“Existem ainda em stock 72 mil preservativos por distribuir a todas as unidades sanitárias da província da Huíla”, referiu.

Os Serviços de Saúde da Província da Huíla estão a acompanhar, igualmente, oito mil pacientes portadores do HIV-Sida, que têm beneficiado de tratamento à base de anti-retrovirais.

Em relação aos desafios do sector, referentes a 2020, Levy Gomes destacou o trabalho de sensibilização da sociedade para a prevenção da transmissão de mãe para filho, o combate à infecção ao VIH e gravidezes indesejáveis, bem como outros factores essenciais que visam a redução da patologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.