“O ISEC está a desenvolver um projeto I&DT [Investigação e Desenvolvimento Tecnológico] que irá permitir a produção de um dispositivo inovador de apoio à abertura de portas que diminuirá os contágios associados ao novo coronavírus”, afirma, numa nota enviada à agência Lusa, o estabelecimento de ensino, que integra o Instituto Politécnico de Coimbra.

Concebido “prioritariamente para hospitais e centros de saúde”, o novo mecanismo permitirá “a abertura de portas sem usar as mãos”, mas também se destina, naturalmente, a outros locais de grande afluência de pessoas, como, por exemplo, zonas comerciais, escolas, centros de dia ou lares de idosos.

Denominado Covid - Doors Openers, o equipamento, que irá ser “produzido em larga escala para os mercados nacional e internacional”, pela empresa Shapetek - Tecnologias de Maquinação, de Pombal, permite “acionar puxadores das portas com partes do corpo menos suscetíveis de entrar em contacto com a cara”.

Este “produto inovador” e “versátil”, desenvolvido por um consórcio integrado pelo ISEC, foi “concebido para se adaptar a qualquer tipo de puxador”, para ser de “fácil instalação e baixa manutenção” e para ter “um custo acessível”, sublinha o Instituto, sustentando que se trata de um meio que “será muito útil para o combate à Covid-19”.

Do consórcio, que é liderado pela Shapetek, também fazem parte, para além do ISEC, a Escola Superior de Educação de Coimbra, o Centro Tecnológico da Indústria de Moldes, Ferramentas Especiais e Plásticos, da Marinha Grande, e a empresa Sandredy, da Figueira da Foz.

O Instituto está “muito empenhado” neste projeto, que “disponibilizará um dispositivo inovador, universal – ou seja, adaptável a todos os puxadores – e que permite a abertura de portas sem necessidade de utilizar as mãos”, afirma Mário Velindro, presidente do ISEC.

“Numa fase em que o combate à covid-19 obriga a comportamentos seguros, este dispositivo será uma resposta forte a esta pandemia”, sustenta Mário Velindro.

A ideia em torno do sistema envolve um conjunto de elementos mecânicos de fácil montagem, associados a uma utilização intuitiva, promovendo a interação do utilizador com o dispositivo, de modo a evitar o contacto direto das mãos na abertura das portas, explica o coordenador do projeto, Luís Roseiro.

“O conceito é inovador e associa um movimento dinâmico com conforto e ergonomia na sua utilização”, afirma Luis Roseiro, que também é o responsável pelo Laboratório de Biomecânica do ISEC, onde o projeto está a ser desenvolvido, em colaboração com os parceiros do consórcio.

“Este dispositivo respeitará todas as normas de segurança, privilegiando o design e a robustez mecânica, garantindo um enquadramento harmonioso com o meio em que for inserido”, assegura Luís Roseiro, destacando que “a geometria do mecanismo permitirá também uma utilização segura por parte de cidadãos com limitações de mobilidade”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.