O vírus, que afetou mais de 60.000 pessoas e fez pelo menos 1.350  mortos na China, onde apareceu em dezembro, afeta cerca de 30 pessoas em sete países da União Europeia, onde ainda não fez vítimas fatais.

Perante a epidemia de COVID-19, cada país da UE adotou as suas próprias medidas, no que diz respeito à quarentena, verificação de passageiros e conselhos aos viajantes. A Itália, por exemplo, suspendeu todos voos de e para a China. 

Recomendações da DGS

A DGS acompanha a situação da expansão do novo coronavírus e recomenda:

  • Em Portugal, caso apresente sintomas de doença respiratória e tenha viajado de uma área afetada pelo novo coronavírus, as autoridades aconselham a que contacte a Saúde 24 (808 24 24 24). Caso se dirija a uma unidade de saúde deve informar de imediato o segurança ou o administrativo.
  • Evitar o contacto próximo com pessoas que sofram de infeções respiratórias agudas; evitar o contacto próximo com quem tem febre ou tosse;
  • Lavar frequentemente as mãos, especialmente após contacto direto com pessoas doentes, com detergente, sabão ou soluções à base de álcool;
  • Lavar as mãos sempre que se assoar, espirrar ou tossir;
  • Evitar o contacto direito com animais vivos em mercados de áreas afetadas por surtos;
  • Adotar medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e boca quando espirrar ou tossir (com lenço de papel ou com o braço, nunca com as mãos; deitar o lenço de papel no lixo);
  • Evitar o consumo de produtos de animais crus, sobretudo carne e ovos;
  • Seguir as recomendações das autoridades de saúde do país onde se encontra.

Mas num espaço onde a livre circulação de pessoas é a regra, os 27 consideram necessário "fortalecer a coordenação já existente" para "melhorar a eficácia" das medidas nacionais, de acordo com as conclusões adotadas pelos ministros reunidos em Bruxelas.

A comissária da Saúde Stella Kyriakides disse que "todos os estados-membros tinham planos de ação e um bom nível de preparação", durante uma conferência de imprensa. Também assegurou que "até agora não há escassez de medicamentos", enquanto vários países temem esse risco se a epidemia continuar.

China, um gigante produtor de substâncias ativas

A China é um grande produtor de substâncias ativas, usadas na composição de medicamentos.

A comissária também indicou que "quase 50%" dos equipamentos de proteção (luvas, máscaras, macacões) são produzidos neste país, informando que os stocks na UE estão a ser reavaliados.

A Comissão está "pronta para iniciar um procedimento para compras em grupo", disse. "Já entrámos em contacto com empresas da UE para ver se elas podem fornecer mais" equipamentos.

Veja em baixo o mapa interativo com os casos de coronavírus confirmados até agora

Se não conseguir ver o mapa desenvolvido pela Universidade Johns Hopkins, siga para este link.

As conclusões finais, que listam compromissos gerais, enfatizam, em particular, a necessidade de "implementar planos e recursos específicos para fornecer os cuidados adequados (...) aos portadores suspeitos ou confirmados do COVID-2019, bem como para quaisquer medidas adicionais (permitindo) identificar contactos".

Essa referência a pessoas que estiveram em contacto com um viajante contaminado foi adicionada a pedido da Alemanha, apoiada pela Roménia, após intensas discussões. Embora reconheça ser impossível listar todas as pessoas com quem uma pessoa de regresso da China tenha estado em contacto, Vili Beros, o ministro da Saúde da Croácia, cujo país ocupa a presidência da UE, considerou um "compromisso satisfatório".

O ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, defendeu essa medida, argumentando que "medir a temperatura" dos passageiros não era suficiente. "Não se pode descartar que essa epidemia limitada regionalmente se torne uma pandemia global", disse, enquanto o seu colega checo Adam Vojtech não descartou a possibilidade de futuras restrições à liberdade de movimento no espaço Schengen.

A situação atual não exige isso, mas "se a epidemia piorar, novas ações serão tomadas", incluindo o possível encerramento de fronteiras, disse Beros.

O comissário de gestão de crises, Janez Lenarcic, que também participou na reunião, enfatizou que o número de casos de coronavírus na Europa "ainda é baixo". "O risco é baixo, mas existe e pode aumentar, por isso devemos estar preparados para esse tipo de cenário", ressaltou.

O que é uma sala de pressão negativa e para que serve?

Veja a expansão do coronavírus em imagens

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.