Em causa, estava um cidadão de 33 anos de idade, oriundo do município da Chibia, 40 quilómetros a sul do Lubango, que segundo a chefe do departamento de Saúde Púbica, Fátima Barros, foi devidamente acompanhado, assistido e “hoje já está praticamente recuperado”.

A responsável tranquiliza à população, uma vez não existir motivos para alarme, pois, já foram executadas as medidas de controlo e feito o rastreio de todos os contactos do indivíduo.

“Foram colhidas amostras de sangue já enviadas aos laboratórios de referência e aguarda-se pelos resultados”, referiu.

A confirmação do resultado veio de um laboratório de referência em África, para onde foram enviadas amostras de sangue colhido do paciente,

Fátima Barros explicou ainda que à doença tem os sintomas parecido com a da malária, excepto a hemorragia, que é transmitida pela picada de carraças, sendo criadores de gados, animais de pequeno porte e os que manuseiam sangue infectado mais expostos ao risco de contaminação.

Por isso, a responsável alertou a população a evitar contacto com carraças, e o uso de repelentes ou outros tipos de insecticidas para o efeito.

Sinais e sintomas

A Febre Hemorrágica da Crimeia do Congo revela-se primeiro com febres, dores de cabeça e mal-estar de início súbito, dor abdominal progressiva, rigidez da nuca, mudança de humor e agitação seguida de cansaço (fase pré-hemorrágica).

Já na fase seguinte, dá-se início alguns dias depois, com o aparecimento de pequenos pontos hemorrágicos disseminados e outros sinais de hemorragia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.