A intenção consta de um despacho assinado pela ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, deste mês e ao qual a Lusa teve acesso, no qual é criado o Comité Técnico Nacional de Certificação da Erradicação da Dracunculose em Angola, coordenado pela vice-decana da Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto, Ema Fernandes.

A dracunculose já chegou a estar presente em 20 países africanos e atualmente é endémica ainda na Etiópia, Chade e Sudão do Sul.

Estes três países notificaram, em 2016, um total de 25 casos da doença.

No caso de Angola, conforme refere o mesmo despacho do Ministério da Saúde, não há casos recentes notificados, mas o país ainda não solicitou à OMS a certificação de país livre da dracunculose.

Trata-se de uma infeção provocada pela ingestão de vermes presentes em rios, que após ingeridos pela água perfuram o sistema digestivo e levando as larvas entretanto libertadas a desenvolverem-se no tecido subcutâneo, onde atingem até um metro de comprimento e dois milímetros de espessura.

Iniciam depois a migração para fora do corpo do hospedeiro, normalmente pelas pernas ou pelos pés, provocando febres, úlceras e outros problemas.

O comité técnico agora constituído, com elementos de vários setores e que será apoiado por um secretariado, terá a missão de apresentar à OMS o relatório final de certificação da erradicação da doença.

A Aliança Mundial para Vacinação (GAVI) doou a Angola, em julho passado, entre outro material, duas viaturas para apoiar este processo de certificação da erradicação da dracunculose no país, conforme explicou na altura o diretor nacional de Saúde Pública, Miguel Oliveira.

"É uma doença que afetou muitos países africanos e agora estamos a trabalhar para a certificação da sua erradicação", disse o responsável.

Com estes meios, as províncias vão estar em melhores condições para desenvolver as ações em curso em todo o território, nomeadamente o mapeamento das doenças negligenciadas e para o trabalho que visa certificar Angola livre da dracunculose, enfatizou o responsável pela Saúde Pública.