Do ponto de vista nutricional, o leite é um alimento com alto teor em proteína. Adicionalmente, é ainda considerado uma fonte de proteína completa dado que fornece todos os aminoácidos essenciais em proporções que se aproximam das necessidades diárias destes nutrientes. Uma porção de 250 ml fornece cerca de um terço das necessidades diárias de cálcio, de fósforo, de potássio, de iodo e de vitamina B2 (riboflavina) para o adulto. A nível de hidratos de carbono, o leite constitui uma fonte relevante de lactose, um açúcar que se encontra naturalmente presente neste alimento.

No momento de escolher, opte pelas variedades de leite simples e não açucaradas, ou sem chocolate adicionado, dado que são mais pobres em calorias e hidratos de carbono. O consumo de leite gordo ou inteiro é ainda menos recomendável em comparação com o leite meio-gordo ou semi desnatado, atendendo que apresenta um teor de gordura saturada e de colesterol mais elevado.

Os inúmeros benefícios

São vários os estudos que revelam os benefícios do consumo de leite para a manutenção da saúde e prevenção de algumas doenças.

Pela sua densidade nutricional, a ingestão de leite parece contribuir para diminuir o risco de obesidade infantil. Quando consumido durante a infância e adolescência contribui também para a manutenção da saúde óssea e dos dentes. Contudo, o impacto da manutenção do consumo de leite durante a vida adulta sobre a saúde óssea já não é tão claro.

Em contrapartida, várias investigações científicas revelam que este alimento pode favorecer a melhoria da composição corporal, ajudar à obtenção de um peso saudável e à diminuição do risco de diabetes mellitus tipo 2, principalmente pela sua riqueza em proteína e minerais.

A nível cardiovascular, dado que o leite é um alimento fonte de cálcio, parece contribuir para reduzir o risco de hipertensão e de enfarte agudo do miocárdio. Em relação ao cancro, parece de igual modo, que os consumidores de leite apresentam um risco mais baixo de cancro colorretal, da bexiga, do estômago e da mama.

A intolerância à lactose

A lactase é a enzima responsável pela digestão da lactose presente no leite e que se encontra no intestino. Acontece que quando nascemos, a atividade desta enzima é muito mais elevada, começando a diminuir com a idade. Por este motivo, muitas pessoas desenvolvem sintomas de intolerância à lactose à medida que envelhecem, manifestando-se através de dor e distensão abdominal, flatulência, náusea e diarreia que se desenvolvem entre 30 minutos a 2 horas após o consumo de leite. Estima-se que esta intolerância alimentar possa afetar cerca de 65% da população mundial.

Para quem tem problemas de intolerância à lactose, hoje em dia já podem ser encontradas no mercado diversas variedades de leite com teor reduzido ou sem lactose, bem como, de produtos derivados, que permitem uma digestão mais fácil sem eliminar por completo este alimento da dieta. Neste caso, são adicionados fermentos láteos, isto é, certas bactérias benéficas, que contribuem para eliminar parcial ou totalmente este açúcar natural do leite.

Alergia à proteína do leite de vaca

Apesar de ser um alimento comum na dieta quotidiana da maioria dos portugueses, nem todas as pessoas podem consumir leite. A alergia à proteína do leite de vaca é pouco frequente, afetando entre 2 a 7,5% de pessoas em todo o mundo, sendo usualmente diagnosticada logo na infância. Nestes casos, desenvolve-se uma reação imunitária adversa de intensidade variável que se pode manifestar a nível respiratório, da pele e do sistema digestivo. A solução passa por evitar o consumo de leite, assim como de produtos derivados como o queijo e o iogurte.

Quando é necessário retirar o leite da dieta, torna-se especialmente importante encontrar outros alimentos alternativos que possam contribuir para a ingestão de cálcio e de proteína. Neste sentido, pode optar-se por incluir alimentos e/ou bebidas derivadas de soja e de amêndoas, e ainda as algas, o tofu, as sardinhas em conserva, legumes de folha verde como os espinafres, o agrião e a couve.

Caso suspeite de uma alergia ou intolerância ao leite, deverá sempre procurar aconselhamento com um Médico ou Nutricionista de modo a obter um aconselhamento direcionado.

Quanto aos restantes casos, deixamos a recomendação final que se consuma por dia entre 2 a 3 porções de leite ou produtos derivados. Para além de ser um alimento pouco dispendioso, a sua densidade nutricional, torna-o um bom complemento da dieta quotidiana.

As explicações são de Sara Pereira, nutricionista do Celeiro.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.