De acordo com o Ayurveda a alimentação tem uma repercussão bastante considerável na saúde do Ser Humano. A velha máxima: “Faz do teu alimento o teu medicamento e do teu medicamento o teu alimento” ganha todo o sentido.

Mas agora a grande questão é: o que devo comer?

Atualmente vemos inúmeros livros sobre alimentação. Alimentação detox, cozinha tradicional de um determinado país ou região, cozinha alcalina, dieta para o tipo sanguíneo, vegetariana, vegan, crua, cozinhada, gourmet, receitas fáceis, difíceis. Enfim, muita oferta. Em simultâneo vemos muita publicidade e farmácias cheias de suplementos alimentares e fármacos para indigestão, gases, azia, trânsito intestinal, etc.

Em boa verdade, a pergunta a fazer é: o que devo comer e com o quê?

Escassa é a informação que existe sobre a combinação dos alimentos. Será que o nosso fogo digestivo (Agni) consegue digerir e assimilar corretamente “qualquer coisa” que colocamos dentro do nosso estômago? Obviamente, NÃO.

O Ayurveda tem uma extensa lista de alimentos incompatíveis. Alimentos que por si só podem ser saudáveis, mas que combinados podem dar mau resultado a longo, médio ou a curto prazo, dependendo do nosso poder de digestão que varia de pessoa para pessoa (na consulta de Ayurveda é possível determinar esta capacidade).

Porque há alimentos incompatíveis? Segundo o conhecimento ayurvédico cada alimento tem o seu próprio sabor (Rasa). Tem igualmente uma energia que pode aquecer ou arrefecer (Virya) e um efeito pós digestivo (Vipaka).

Existem também alguns alimentos com um efeito contraditório às suas características, chamado de efeito ou potência especial (Prabhava) que é inexplicável e apenas se sabe por experimentação e a devida documentação.

Uma fruta muito utilizada no Ayurveda é o Amalaki, também conhecida por Amla, que significa ácido. O rasa ácido tem um virya quente, mas o Amla tem um efeito refrescante.

E respondendo à pergunta colocada no início do anterior parágrafo, uma mistura de alimentos com sabor, energia e efeitos pós digestivos diferentes determinam o quanto são digeridos e assimilados. Muitas vezes apenas sobrecarregam o nosso sistema digestivo dando-nos a sensação de saciamento, mas na verdade estamos apenas subjugar o nosso estômago e intestinos a um trabalho extra.

Em conformidade com a linguagem da ciência moderna, podemos grosseiramente traduzir estes efeitos, sabores e energias com uma palavra: Enzimas. Substâncias proteicas que ativam uma reação química orgânica.

As enzimas são particularmente específicas. São produzidas pelo nosso organismo e igualmente se encontram em alguns alimentos crus. Na prática, o que significa? As diferentes enzimas são responsáveis pela nossa correta digestão e assimilação dos diferentes nutrientes da nossa alimentação. Assim sendo, ao misturar determinados alimentos a nossa digestão pode ser prejudicada provocando indigestão, gases, azia, má absorção de nutrientes e resulta na produção de toxinas. Isto porque as enzimas nem sempre trabalham “em equipa”.

Vamos ao cerne da questão, como saber que alimentos são incompatíveis?

Principalmente comer simples sem demasiadas misturas em geral. Frutas devem ser consumidas de forma isolada e apenas um tipo de fruta de cada vez (saladas de frutas não são aconselhadas). Evite misturar proteínas e evite comer alimentos muito quentes em simultâneo com alimentos muito frios.

Consulte a tabela em baixo para melhor apreender quais os alimentos que NÃO deve misturar:

tabela alimentos
créditos: Brahmi Wellness

Autor: Joel Santos/Terapeuta de Ayurveda e Yoga/Brahmi Wellness

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.