As multinacionais Coca-Cola, Pepsi e Nestlé são as empresas que mais contribuem para a poluição dos oceanos com lixo plástico, segundo um novo relatório da Greenpeace e da iniciativa Break Free from Plastic.

A Greenpeace organizou 239 limpezas em setembro na costa de 42 países, como Filipinas, Tailândia, Austrália, Chile, Equador, Brasil, México, Estados Unidos, Canadá e Espanha. A ação contou com 10 mil voluntários.

"O relatório demonstra de forma irrefutável o papel das grandes empresas em perpetuar a poluição mundial de plástico", afirmou Von Hernández, coordenador global do movimento Break Free from Plastic, citado pela agência de notícias Efe.

Foram recolhidas 187 mil peças de plástico e 65% correspondiam a embalagens de produtos de grandes corporações mundiais, com a Coca-Cola, Pepsi e Nestlé à frente. Garrafas da marca Coca-Cola foram encontradas em 40 países.

Outras multinacionais na lista

Essas multinacionais são seguidas no ranking das mais poluentes pela Danone, Mondelez, Procter & Gamble, Unilever, Perfetti Van Melle, Mars Incorporated e Colgate-Palmolive, todas ligadas a alimentação, higiene e produtos de limpeza doméstica.

Cerca de 100 mil peças ou porções de plástico recolhidos eram de materiais que são impossíveis ou muito difíceis de reciclar, como o poliestireno, o PVC (policloreto de polivinila), PET (tereftalato de polietileno), usados sobretudo em garrafas e recipientes.

"Estas empresas têm de  escolher entre ser parte do problema ou da solução. Se continuarem a utilizar nos seus produtos revestimentos desnecessários de plástico, continuarão a encorajar a poluição", destacou Hernández.

Atualmente, a produção de plástico alcançou 320 milhões de toneladas métricas por ano e, na próxima década, está previsto que cresça 40%, o que aumentará exponencialmente a emissão de gases com efeito de estufa.