1. Chuva, neve e, depois, o subsolo

A água tem duas fontes indiretas: a chuva ou a neve derretida que, ao movimentar-se no subsolo, vai dissolvendo e aglutinando os minerais e os gases existentes por onde passa.

  1. Uma questão de misturas

Ao misturar-se com determinados gases, a água ganha uma identidade nova e distintiva que lhe é conferida pela geologia dos locais percorridos. Por exemplo, pode misturar-se com dióxido de carbono, adquirindo as conhecidas bolhinhas. Ou com carbonato de sódio, daí resultando as sodas.

Sete factos fascinantes sobre o mundo das águas minerais
  1. Uma fonte natural

As águas puras não correntes podem ser obtidas por captação direta em leitos subterrâneos ou por colheita em fontes (quando, na sua abundância, acabam por jorrar para o solo).

  1. Diretamente das nuvens

Apesar de 100% naturais (algumas são captadas quase diretamente das nuvens!), as águas puras são quase sempre objeto de uma aplicação mínima de tratamentos antes do engarrafamento, que se revelam fundamentais para a eliminação de elementos instáveis.

  1. Constância no sabor é importante

O que faz o nome de uma boa água engarrafada é a sua estabilidade e constância da composição, as características físico-químicas e a garantia da sua pureza. Ou seja, o consumidor vai querer encontrar sempre o mesmo sabor numa determinada marca de água que lhe chega em garrafa.

  1. Beber uma boa água antes das refeições

Pode beber uma água rica em minerais, eventualmente gaseificada, antes de uma refeição. Deste modo obterá uma limpeza geral de todo o seu palato e tubo digestivo, com dois efeitos importantes: a remoção dos sólidos eventualmente instalados no percurso digestivo e a neutralização dos ácidos em excesso acumulados no estômago.

  1. Faz esforço físico? Beba água com mais oxigénio

Após um intenso exercício físico, experimente beber uma água com mais oxigénio, pois assim recuperará mais rapidamente as energias desgastadas.

Fonte: Revista Wine