A Vollebak, uma startup sediada em Londres, em Inglaterra, foi fundada há três anos por dois irmãos gémeos, designers, atletas e empresários. Nick Tidball e Steve Tidball, que acabam de desenvolver um original blusão inspirado nos mecanismos biológicos de sobrevivência das lulas, usam a ciência e a tecnologia para criar equipamentos desportivos a partir de novos métodos de produção e materiais até então desconhecidos.

"Nós começámos em 2017 o projeto de criação de roupa capaz de reproduzir os surpreendentes mecanismos de sobrevivência e de mudança de cor encontrados no reino animal. Embora saibamos que estaremos sempre em contato com a natureza, o nosso objetivo final é criar materiais sintéticos tão inteligentes quanto os biológicos dominados há milhões de anos", justificaram já publicamente os irmãos empreendedores.

Um dos seus últimos projetos, o black squid jacket, é um casaco impermeável à prova de vento desenvolvido para praticantes de desportos radicais como o esqui e o snowboard. Apresentado ao mercado em março deste ano, esgotou em apenas três dias, apesar de custar 895 €. Relançado nas últimas semanas, a pedido de muitos consumidores, o original casaco tem por base 500 milhões de anos de evolução da fauna marinha.

Como integra dois mil milhões de esferas de vidro microscópicas, que foram embutidas a laser na superfície têxtil que o reveste, muda de cor. Na presença da luz, as estruturas refletem, exibindo todas as cores do espetro visual, imitando um dos materiais biológicos mais avançados do mundo, a pele da lula, que possui uma complexa rede de nervos à superfície que a ajuda a mudar de coloração e de aparência muito rapidamente. "Pode tornar-se altamente visível, criando ilusões óticas surpreendentes em frações de segundo", esclarece a empresa na sua página de internet.

Para o desenvolvimento do black squid jacket, que pode ficar a conhecer na galeria de imagens que se segue, a Vollebak teve de recorrer a lasers para incorporar os mais de dois biliões de esferas de vidro microscópicas no material que reveste o casaco. Assim, enquanto exposto a uma luz fraca a sua textura parece metálica escura e lisa mas, perante uma luz brilhante e forte, reflete todas as cores do espetro visível.

"Devido à maneira como as esferas microscópicas de vidro, que têm uma estrutura disruptiva na superfície, dispersam a luz, duas pessoas podem observar o casaco de dois ângulos diferentes e verão padrões e cores totalmente distintos", sublinham os empresários fundadores da empresa britânica de vestuário tecnológico masculino que fabrica "o equipamento desportivo mais avançado que alguma vez vestiu", como garantem no site.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.