Nada reflete melhor o seu dia a dia do que a sua tez. Maquilhagem, poluição, calor ou frio... O seu rosto espelha, sem reservas, todos os obstáculos que a sua pele vai enfrentando ao longo dia. Limpá-la para restituir a sua pureza original é, por isso, fundamental. A dupla água e sabonete há muito que deixou de ser uma boa opção. Se a água fria traz benefícios, ao ativar a circulação cutânea, usar um sabonete comum faz o oposto, deixando a epiderme fragilizada e seca.

Mas como é que se deve, afinal, proceder? Diariamente, de manhã e à noite, limpe o rosto com um produto adequado ao seu tipo de pele. Use discos de algodão, terminando quando o último disco não revelar sujidade. Em alternativa, enxagúe-o com água. De seguida, seque o rosto com a toalha sem esfregar. Periodicamente, faça uma máscara de limpeza para uma ação mais profunda. Existem ainda cuidados a ter em função dods distintos tipos de epiderme.

Os cuidados a ter na limpeza da pele seca

Mais suscetível a agressões externas, requer uma "combinação de agentes relipidantes, como os ácidos gordos, numa emulsão ligeira", recomenda Miguel Trincheiras, dermatologista. Uma opção são "os cold creams com ceras e óleos naturais, usando o borax como emulsionante", sugere. "Existem ainda produtos com emulsionantes não iónicos, com uma textura mais leve, que removem menos lípidos essenciais da epiderme, como é o caso das ceramidas", refere.

Os cuidados a ter na limpeza da pele mista

Facilmente identificável pela oleosidade concentrada na zona da testa, nariz e queixo, a chamada zona T, esta epiderme requer fórmulas "com baixos níveis de ceras e óleos e moderadas concentrações de surfactante", aconselha o especialista. Pode optar por "uma emulsão de limpeza ligeira de óleo em água, para remover o excesso de oleosidade da zona T, enquanto se adiciona lípidos às zonas mais secas da face e queixo", recomenda o médico.

Os cuidados a ter na limpeza da pele oleosa

Limpar o rosto e manter o equilíbrio cutâneo é o desafio maior para este tipo de peles. "Para além da remoção do sebo e da sujidade, é desejável controlar a taxa de excreção de gordura para limitar o aspeto brilhante, que surge geralmente três horas após a limpeza", sublinha Miguel Trincheiras.

As soluções oil-free são uma boa estratégia, assim como os produtos com fórmulas nas quais "moléculas absorventes da oleosidade, como o pó de nylon, são adicionadas para retardar o efeito de brilho", salienta o médico. Caso a oleosidade cutânea esteja associada à acne, consulte um dermatologista.

Os cuidados a ter na limpeza da pele  sensível

Intolerante por natureza, este tipo de epiderme, muito comum, requer cuidados redobrados, como não poderia deixar de ser. Por definição, "esta pele deve ser limpa com soluções isotónicas, com a mesma concentração em sais que o organismo, eventualmente com uma mistura de surfactantes suave e cujo pH seja o mais fisiológico possível, ou seja, ligeiramente ácido, na ordem dos 5.4, como é o habitual pH da pele", defende ainda o dermatologista.

O ritual a seguir no momento de se desmaquilhar

São muitas as mulheres que, por preguiça, tentam saltar esta fase, um erro que, na opinião de muitos dermatologistas e maquilhadores, acaba por ter consequências nefastas. No mercado, são, hoje em dia, muitas as opções disponíveis. "Existem águas desmaquilhantes que podem ser usadas em todo o rosto, incluindo nos olhos, que não deixam vestígios", sublinha Cristina Gomes, que aponta os três passos a adotar nesta fase de limpeza.

1. Aplique o desmaquilhante de olhos sobre a pálpebra com um disco de algodão, deixe atuar  durante 30 segundos e passe, de seguida, com algodão até este sair limpo. Se usa maquilhagem à prova de água, opte por fórmulas com óleos na sua composição.

2. Limpe, seguidamente, os lábios com um toalhete ou com algodão embebido em desmaquilhante. São muitas as fórmulas atualmente disponíveis nas lojas especializadas.

3. Remova, depois, a maquilhagem do rosto com o produto que preferir, fazendo movimentos circulares. Finalize com um disco de algodão embebido num tónico ou numa loção calmante. Também são muitas as opções à venda no mercado.

Texto: Manuela Vasconcelos com Miguel Trincheiras (dermatologista) e Cristina Gomes (maquilhadora)

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.