A ação foi interposta no tribunal de Los Angeles por Sarah Tither-Kaplan e Toni Gaal.

Tither-Kaplan foi uma das cinco mulheres que denunciaram o ator por suposta má conduta sexual, num artigo publicado em janeiro de 2018 pelo Los Angeles Times.

As duas mulheres garantem que James Franco e os seus parceiros no Studio 4 "desenvolvem um comportamento inapropriado com os alunos".

Tither-Kaplan e Gaal inscreveram-se no Studio 4 em 2014, e garantem que as aulas incluíam lições sobre cenas de sexo que consistiam em "simulações de atos sexuais que iam muito além dos padrões da indústria".

Sarah Tither-Kaplan, como já tinha declarado no artigo do Los Angeles Times, especificou no processo a alegada filmagem de uma orgia na qual Franco simulava praticar sexo oral.

No processo é exigida uma compensação pelos danos e o retorno ou destruição de qualquer gravação feita no Studio 4.

A polémica em torno de Franco começou nos Globo de Ouro de 2018, onde este recebeu o prémio de melhor ator na comédia 'O artista do desastre' (2017) e em cujo tapete vermelho desfilou com um alfinete do Time's Up (movimento contra o assédio sexual).

Durante a cerimónia, várias atrizes acusaram o ator de ser hipócrita por usar um desses crachás, apontando-o como responsável por episódios de abuso sexual no passado.

Alguns dias depois, Franco respondeu a essas acusações numa entrevista com Stephen Colbert, no programa noturno 'The Late Show'.

Leia Também: Robert De Niro acusado de assédio e descriminação por ex-funcionária

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.