Desafie-os. "Está um dia espetacular! Que tal fazermos um piquenique?", sugira. Como resposta, os mais pequenos vão, seguramente, reagir com saltos, risos e muita animação. Para muitas crianças, mesmo as mais citadinas, esta é uma proposta aliciante. Ninguém quer perder um programa destes. Haverá alguma ideia melhor do que passar um dia fora de casa, sem horários nem compromissos? Claro que simplificar as refeições também faz parte do conceito de evasão.

Mas é importante encontrar, para as que são realizadas ao ar livre e sem a ajuda de restaurantes, alternativas saudáveis e equilibradas aos pratos de faca e garfo, como alertam muitos nutricionistas e dietistas defensores deste tipo de programas. Quando pensamos nos dias da nossa infância passados na praia, lembramo-nos, até com saudade, do momento em que passava o vendedor de bolos na praia. Hoje, olhamos para ele com desconfiança.

Nessa época, que muitos recordarão certamente com saudade, várias pessoas juntavam-se à sua volta, à espera que destapasse o cesto onde estavam convidativas bolas de berlim com creme. E, às vezes, tinhamos a sorte de um daqueles deliciosos bolos ser para nós. Era bom… Mas, à luz do que sabemos hoje acerca da segurança alimentar e da conservação de alimentos, perigoso! Os riscos de intoxicação alimentar e, consequentemente, de desidratação, são elevados, sobretudo nas alturas do ano em que as temperaturas estão mais altas e mais convidativas. Certos alimentos, como sabe, alteram-se facilmente com o calor.

Por isso, na preparação de piqueniques e de refeições para comer fora de casa, todo o cuidado é pouco, especialmente se o cenário for a praia. Aliás, sair da beira-mar para fazer um piquenique no pinhal, onde existe mais sombra, pode ser uma óptima ideia. Leve atum enlatado ou qualquer outro tipo de conserva ou compre um frango acabado de assar e prepare uma salada ou sandes. Tenha, no entanto, cuidado com molhos e maioneses.

Evite-os e dê preferência a molhos com iogurte, se bem que o ideal é evitar qualquer tipo de molho neste tipo de convívios gastronómicos. Se não lhes resiste, use os das conservas. Para garantir que os seus filhos aproveitam os benefícios da vida ao ar livre, ofereça-lhes, à hora do jantar, uma refeição completa, seguida do merecido descanso. Se tiverem oportunidade de a fazer, uma sesta também é uma forma saudável de relaxar e de recuperar energias.

O que fazer para garantir a segurança e o equilíbrio

Pensar em equilíbrio alimentar, em tempo de praia e/ou de calor, é associar dois conceitos fundamentais, valor nutricional e segurança alimentar. As opções corretas do ponto de vista nutricional nem sempre são as mais seguras. O fiambre e o queijo fresco são, por exemplo, alimentos ricos, mas pouco resistentes ao calor. Há que escolher alternativas que não representem riscos para a saúde e satisfaçam as necessidades nutricionais dos mais pequenos.

Deve, além disso, garantir que as refeições não sejam todas à base de pão e de bolachas, como muitas vezes sucede nestas alturas. Para assegurar uma ingestão equilibrada de vitaminas e minerais, ofereça aos seus filhos várias peças de fruta, lavadas previamente. Opte por ananás, melão, meloa, morango, uvas e citrinos, uma vez que têm um elevado teor de água. As cerejas, também elas ricas em vitaminas e minerais, são outra opção a considerar.

As sandes mais adequadas para um piquenique

Pode levar leite em pacotinhos, que são mais resistentes ao calor do que os iogurtes. Para as sanduíches, prefira pão de mistura. O pão branco não é, por norma, recomendado pelos nutricionistas por ter baixo teor de fibra e o pão integral não deve ser associado ao leite e derivados porque não facilita a absorção do cálcio. Para evitar a desidratação, dê muitos líquidos aos seus filhos. Além de água, ofereça-lhes sumos naturais, idealmente feitos em casa.

Esprema as peças de fruta, mas não coe, para que a fibra seja preservada. Tenha também cuidado com o excesso de calor, que deteriora os alimentos, incluindo a fruta. A que leva cortada de casa em recipientes de plástico é mais perecível. Controle ainda o consumo de alimentos gulosos que encontra na nossa lista de proibidos. Se os seus filhos se queixarem, resista e não pense que está a ser demasiado rígida. Mais tarde, irão agradecer-lhe o que fez por eles.

A lista de alimentos proibidos

Estes são, segundo Magda Serras, nutricionista, alguns dos ingredientes e confeções alimentares a evitar a todo o custo:

- Refrigerantes

A sua ingestão sistemática pode causar desidratação. Dos sumos disponíveis no mercado, os menos desaconselhados são os sumos com 100% de fruta, conservados a frio.

- Batatas fritas

Devem ser evitadas dado o seu elevado teor de sal e gordura, provocando muita sede.

- Gelados

Permita que o seu filho coma apenas gelados de leite, sem chocolate nem recheios, no máximo duas a três vezes por semana.

Texto: Paula Alberty com Magda Serras (nutricionista)

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.