A manifestação política da menina está a gerar polémica também pela reação dúbia que provoca: alguns políticos criticaram o "mau comportamento" da criança, embora outros tenham parabenizado e encorajado a menina de 9 anos.

O caso está a dar que falar ao ponto do hashtag #HarperNielsen estar entre os mais citados do Twitter. Há quem se refira à menina como "a pirralha australiana mais fantástica e brilhante" ou "a heroína que a Austrália não percebe que precisa".

Mas vamos ao que interessa: para Harper Nielsen o hino nacional da Austrália não respeita a história e a cultura indígena: "A frase 'nós somos novos e livres' ignora os indígenas australianos que estavam cá antes de nós", justifica a menina citada pela BBC.

A criança diz mesmo que "a canção despreza completamente os indígenas australianos".

Harper ficou de castigo na passada semana por "desrespeitar descaradamente" o hino nacional, que tocou na sua escola, em Brisbane, a terceira maior cidade do leste do país.

Para a menina de nove anos, de quem os pais se sentiram "orgulhosos" pela sua "incrível bravura", é hora de "consciencializar" as pessoas para a verdadeira história da colonização do país.

"Ela mostrou uma bravura incrível ao bater-se por aquilo em que acredita. Não poderia estar mais orgulhoso dela", comentou o pai Mark Nielsen à ABC.

Entre elogios e críticas

O protesto da criança gerou uma enorme discussão no país, com várias figuras a apoiarem-na, mas também com críticas de vários setores políticos.

Quem não achou graça nenhuma foi a senadora Pauline Hanson que acusou a menina de ser "malcriada". "Aqui temos uma criança a quem foi feita uma lavagem cerebral e, deixem-me que vos diga, eu dava-lhe um pontapé no rabo", declarou a senadora australiana, num vídeo publicado nas redes sociais.

Também o ministro da Educação da oposição, Jarrod Bleijie, criticou o "protesto idiota" e o facto dos pais usarem a criança como "peão político".

Entretanto, a escola em causa emitiu um comunicado, que segundo o jornal The Telegraph, diz que a instituição de ensino "respeita os desejos da estudante" e que por isso "facultou outras alternativas" à criança, "incluindo a possibilidade de ela permanecer fora da sala ou não cantar durante o hino nacional".