A responsável, que falava à imprensa, a propósito do papel desempenhado pelas parteiras, adiantou que a formação contínua das parteiras tradicionais, permite que realizem partos seguros e, consequentemente, contribui para a redução da mortalidade materno-infantil.

“A parteira tradicional formada vai aprender como realizar um parto normal, assim como conhecer as complicações do parto que poderão ser encaminhados para as instituições hospitalares, bem como seguir os padrões de prevenção para um parto seguro e reduzir o grau de vulnerabilidade de contágio de qualquer doença infecciosa tanto para mãe, o bebé e a parteira”, frisou madalena Manuel.

Esclareceu que é necessário se dedicar uma especial atenção a esta franja da população, porque são elas que nas suas localidades ajudam a trazer ao mundo novas vidas, razão pela qual devem estar dotadas de princípios de assistência antes, durante e depois do parto.

“A parteira tradicional joga um papel muito importante junto das comunidades, sobretudo onde as unidades sanitárias encontram-se distantes“, salientou.

A província do Cuanza Sul conta com cerca de 400 parteiras tradicionais em toda extensão da província..