A informação foi avançada ontem, quinta-feira, à Angop na cidade do Cuito, pelo supervisor provincial do Programa de Luta Contra a Sida, Adelino Camato, durante a apresentação dos resultados do estudo, realizado de Julho a Setembro de 2018.

Referiu que o estudo contou ainda com apoio do Gabinete Provincial da Saúde do Bié e da Organização Não Governamental (ONG) espanhola Tchikos, tendo salientado que durante as pesquisas foi ainda registada a existência de 68 homossexuais nas localidades do Cuito e Chinguar, respectivamente.

Fez saber que foram diagnosticados, no decorrer do estudo, 100 casos de doenças sexualmente transmissíveis como o VIH/SIDA, sífilis, gonorreia, clamídia anal e hepatite B.

Abordada pela Angop sobre o assunto, a directora do provincial do Gabinete da Acção social, Família e Igualdade do Género no Bié, Deolinda Gonçalves, disse que o sector que dirige tem promovido acções formativas técnico-profissionais para essa franja da população.

Essa medida, ressaltou, visa inserir essas mulheres no mercado de trabalho, para garantirem o seu sustento de maneira mais digna.

"Muitas destas mulheres entram para o mundo da prostituição por falta de emprego", afirmou.

Por sua vez, o sociólogo Nelson Cacungula reprovou esta prática por ser ilícita e ser uma actividade de risco, apesar de reconhecer estar a ganhar espaço nas comunidades, devido a pobreza das pessoas.

A província do Bié possui uma população estimada em um milhão 455 mil e 255 habitantes distribuídos pelos municípios do Andulo, Nharêa, Cunhinga, Cuito, Camacupa, Catabola, Cuemba, Chitembo e Chinguar.