6 formas como uma dívida pode limitar os seus planos de vida

A principal preocupação financeira da maioria das pessoas é o endividamento. Se tem uma ou várias dívidas, saiba de que forma poderá limitar e começar a regularizar a sua situação financeira.

A sua qualidade de vida - presente e futura

No presente, ter uma dívida pode significar fazer alguns sacrifícios, optar por um estilo de vida mais frugal e até limitar as suas escolhas de vida, das mais importantes - como constituir família - às mais triviais - como o entretenimento, por exemplo.

No que diz respeito ao futuro, uma dívida pode fazer com que não consiga poupar para a reforma durante os seus anos ativos no mercado de trabalho, pelo que inadvertidamente estará a prejudicar o seu futuro.

Carreira profissional

De acordo com um estudo das Universidades da Califórnia, Berkeley e Princeton, os candidatos endividados têm uma maior propensão em se contentaram por empregos mal remunerados. Quando ano após ano a pagar uma dívida estão em jogo, fatores como a realização pessoal e profissional deixam de entrar na lista de prioridades durante uma procura de emprego.

Ordenado penhorado

Mesmo que não tenha imóveis, terrenos ou outros bens em seu nome, parte do seu vencimento - na sequência do ponto anterior - pode ser penhorada automaticamente para ir pagando a sua dívida. Em casos em que o incumprimento chega a 8, 9, 10 meses, podem acabar por seguir vias de execução coerciva. Ou seja, se o devedor tiver um salário este pode ser penhorado o que acaba por implicar numa redução do seu vencimento em 1/3 do valor (até ao limite do valor do salário mínimo nacional. Saiba aqui como evitar uma penhora.

Comprar casa

Se ter casa própria faz parte dos seus planos de vida, saiba que as suas dívidas - caso as tenha - podem resultar numa resposta negativa por parte do banco caso precise de pedir Crédito Habitação. Na lista de documentos que os bancos podem pedir para atribuírem Crédito Habitação, consta o seu Mapa de Responsabilidades do Banco de Portugal, precisamente para que o banco possa ver que dívidas tem, se as tem, e de quanto são para, assim, calcular o risco em disponibilizar o dinheiro de que precisa.

Planos de constituir família

Ter um filho é uma decisão que deve ser bem pensada e que não deve ser tomada com base apenas no lado emocional das partes envolvidas. Há que estudar bem a sua vida financeira antes de dar esse passo. Com uma dívida para pagar (dependendo do tamanho da dívida), ter filhos poderá não ser uma opção enquanto a dívida persistir.

Veja neste artigo as opções para se livrar de dívidas de créditos antes de decidir constituir família.

Concretizar sonhos

A lista de sonhos de vida que pode ficar permanentemente adiados devido à existência de dívidas é enorme, mas podemos - por exemplo - falar sobre viagens. Se, para si, é importante e até prioritário viajar, é mais improvável que o consiga fazer ou que consiga viajar até destinos mais longínquos, exóticos (e, consequentemente, caros) se tiver um encargo mensal significativo com uma dívida. A partir do momento em que tem uma dívida para pagar, esta deverá ser a sua principal responsabilidade financeira, pelo que despesas com viagens poderão não ser uma opção.

É possível renegociar dívidas

Se se sente sufocado com o peso das dívidas e sente que precisa urgentemente de uma folga financeira, não deixe de contactar a equipa de Renegociação de Crédito do Doutor Finanças. Marque a sua consulta de diagnóstico financeiro sem compromisso.

Na renegociação de créditos, os consultores do Doutor Finanças contactam todas as instituições a quem deve dinheiro, tentando renegociar as suas dívidas uma a uma, de forma a reduzir aquilo que paga todos os meses a cada uma delas.

O sucesso depende dos casos, mas o Doutor Finanças consegue renegociar cerca de 50% dos casos com prestações acima dos 500€ mensais. Só em 2015, o Doutor Finanças ajudou mais de 500 famílias portuguesas a poupar mais de 2 milhões de euros em prestações com créditos. Quem sabe, este ano, uma das famílias a quem o Doutor ajuda a poupar será a sua.

artigo do parceiro:

Comentários