Dormia com um urso de peluche em criança? Saiba as implicações que os hábitos de infância trazem para a vida adulta

Uma marca de colchões americana realizou um estudo, intitulado "Bedtime Companions", com o objetivo de saber quais os companheiros de sono preferidos dos adultos em criança, e quais as implicações que esse hábito pode trazer, mais tarde, nas rotinas de sono.

Quem nunca dormiu com um urso de peluche? Ou até mesmo com o seu animal de estimação? Estes, e outros hábitos de infância foram analisados pelo estudo "Bedtime Companions", realizado pela marca americana Best Mattress Brand.

O estudo inquiriu cerca de 2.000 americanos acerca dos seus hábitos e rotinas de sono na infância e na idade adulta, e que "companheiros de sono" preferiam quando eram crianças e os que ainda mantém enquanto adultos.

Em crianças, a maior parte dormia com um boneco de peluche (37,5%), em seguida os preferidos eram o urso de peluche (29,4%), um cobertor/manta especial (28%) e um animal de estimação (cão ou gato) com 20,7% das preferências.

Mas será que alguns destes hábitos de infância se prolongaram na idade adulta? De acordo com o estudo, a maior parte das pessoas (entre 26% a 27%) acabou por substituir o ursinho de peluche (ou outro) pelo seu animal de estimação, cão ou gato. Mais de metade (56%) dos que dormiam com o seu animal de estimação em criança, continua a fazê-lo na idade adulta. Dos que preferiam o urso de peluche ou um cobertor/ manta, 7% ainda mantém esse hábito e 4% ainda dorme com a sua boneca de infância. Os que confessaram manter estas rotinas, a maioria diz que o faz por ser confortável ou simplesmente por hábito.

O estudo analisou, em seguida, a evolução das rotinas de sono. Os que dormiam com um animal de estimação ou boneco de peluche em crianças, 72% dizem que em adultos dão voltas na cama enquanto dormem. E os que na infância não tinham qualquer tipo de companhia ao dormir, 61% revelou a mesma rotina. 51% acorda com frequência durante a noite e 22% fala enquanto dorme.

Em relação ao ressonar, 38% dos adultos que dormia com bonecos de peluche na infância, ressonam agora. Mas os que não dormiam com nada em crianças, são dos que mais ressonam em adultos, com 47%.

Em adultos, o estudo descobriu que as mulheres são das que mais gostam de manter os seus objetos de valor sentimental por perto enquanto dormem, em comparação com os homens. 28% das mulheres admite que ainda hoje gosta de dormir com o seu animal de estimação, em relação a 20% dos homens.

O estudo também concluiu que a Geração Milénio (pessoas que nasceram nos anos 80) era a que mais mantinha os seus hábitos de infância na idade adulta, e que dormir com bonecos de peluche ou outros diminuem a ansiedade e o stress, quer em crianças quer em adultos.

Pode consultar o estudo completo aqui.

artigo do parceiro: Susana Krauss

Comentários