"Dieta da Bela Adormecida". Especialistas alertam que a famosa dieta do sono é perigosa

Chamam-lhe dieta do sono ou ainda dieta da bela adormecida, mas o método parece tudo menos um conto de fadas. Nutricionistas e outros profissionais de saúde alertam para os seus riscos.

A dieta do sono para perder peso não é um método recente. Começou há algumas décadas e sugere períodos de sono longos que, com a ajuda de sedativos, podem durar 20 horas, favorecendo assim a restrição calórica. Foi usada e promovida por Elvis Presley, o que a ajudou a tornou-se popular.

O método é simples e até pode ajudar a emagrecer, mas acarreta vários efeitos negativos associados à restrição alimentar e à ingestão descontrolada de fármacos, alertam especialistas.

"Se as pessoas têm de tomar medicamentos para induzir o sono, como as benzodiazepinas, que são viciantes, estão a colocar-se em risco de dependência", alerta Tracey Wade, professora na Faculdade de Psicologia da Universidade Flinders, na Austrália, ao site Broadly. "As pessoas [adeptas deste método] terão de usar níveis de dosagem cada vez maiores para obterem o efeito que pretendem", acrescenta.

A professora universitária recorda ainda que este tipo de dieta pode provocar problemas de isolamento social e de saúde mental. "Sabemos que a depressão também desencadeia a alimentação desordenada. Este método irá simplesmente empurrar as pessoas para um ciclo vicioso de perturbação alimentar", assevera a especialista.

Ana Rita Lopes, nutricionista e responsável pela Unidade de Nutrição do Hospital dos Lusíadas Lisboa, recorda que "os riscos e benefícios de uma dieta dependem sempre do tipo de dieta em questão e da existência ou não de acompanhamento por parte de um profissional da área da nutrição".

A nutricionista frisa ainda que "muitas das dietas ditas da moda não são equilibradas do ponto de vista nutricional". Por outro lado, "são muito pouco eficazes a longo prazo, pois não promovem a adoção de hábitos alimentares saudáveis".

Leia também: 25 truques inimagináveis para perder peso

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários