Artesimia

Uma planta medicinal tradicionalmente utilizada em Portugal

A artemisia (artemisia vulgar) é uma planta diferente do absinto (artemisia absintum), que pertence à mesma família das asteráceas.

Uma outra espécie, a artemisia annua, é um dos principais tratamentos para a malária.

Um estudo de 2009, realizado na Universidade de Berkeley (Califórnia), explica a ação anticancerígena da artemisina.

De acordo com este estudo (Expert Reviews in Molecular Medicine de 2009), esta planta medicinal inclui apoptose (morte celular) e inibição do crescimento das células tumorais, inibição da angiogénese (crescimento de novos vasos sanguíneos que alimentam o tumor) e inibição da migração das células cancerígenas para outras zonas do corpo, evitando as metástases. Já um estudo alemão, publicado na Clinical Infectious Diseases em 2008, alarga a acção antiviral da artemisina a vários vírus como o herpes simplex, o vírus Epstein-Barr e o vírus das hepatites B e C.

História e habitat

Na Ásia, é utilizada para um dos principais tratamentos da Medicina Tradicional Chinesa, a moxibustão. Nasce um pouco por todo o mundo.

Princípios activos

A artesimia contém princípios amargos com ação estimulante da digestão e azulenos com efeitos anti-inflamatórios e febrífugos (baixam a febre). Além das artemisinas, substâncias recomendadas pela OMS, com ação neuro-estimulante, antimalária, antiparasitária e anticancerígena.

Principais propriedades

Auxilia a digestão, estimulando a produção de sucos gástricos. Aumenta a excreção de bílis pela vesícula biliar, melhorando a capacidade de digestão de gorduras. Estimula o apetite, mesmo em crianças. Ajuda a desintoxicar o fígado e reduz a produção de gases.

Comentários