RBS aposta no canal Televisivo puro Entretenimento com um milhão de USD 

A empresa que representa em exclusivo a marca ZARA em Angola, patrocina com 5% de suas acções à uma estação televisiva, pois para o seu representante em Angola, Rui Silva, dinheiro parado no banco não traz retorno, informa o Jornal Expansão.

CREATOR: gd-jpeg v1.0 (using IJG JPEG v80), quality = 85

A RBS Store que se dedica a comercialização de roupa, entra como accionista no canal de televisão 'Puro Entretenimento'. A mesma planeia gastar um milhões de dólar que será usado na implementação de novos programas.

Segundo Henry Chistophehr, o resposável do canal televisivo que existe há seis meses oficialmente, faz parte do pacote da Tv Cabo. Sendo que a Pure Entretenimento teve um capital inicial 1,5 milhão de dólar, com uma linguagem totalmente jovem, produz actualmente 35 programas.

O responsável realçou ainda que a parceria surge em função das necessidades que o canal tem para o RBS, este investimento será uma forma de captar recursos para o grupo, todavia não deixará de comercializar roupa.

O objectivo da marca ao entrar no mercado da comunicação social vai no sentido de diversificar a economia nacional, fazendo crescer o canal, angariando cliente e fomentado o emprego para os angolanos, de 35 para 150. "Temos que arranjar negócios internos para melhorar o resultados do grupo, assim apareceu oportunidade de sermos accionista do canal televisivo", realçou Rui Silva.

Para o gestor, apesar da crise os empresários não deverão ficar parado, pois as épocas de mais pressão financeira são aquelas em que se deve investir, porque dinheiro no banco em Angola não traz retorno.

De referir que a RBS tem actualmente cinco lojas, tendo encerrado duas este ano que diminuiu consideravelmente o número de funcionário.

Nos primeiro seis meses deste ano a RBS facturou 2,5 milhões dólar, face 5 milhões do primeiro semestre do ano passado, mencionou Rui Silva que adiantou ainda que devido à dificuldade de transferência de dinheiro para exterior faz com que a empresa não consegue honrar com os compromissos com Portugal.

Comentários