Há uma nova técnica inovadora para corrigir as orelhas de abano

Estudos mostram que 54% das pessoas que têm orelhas de abano reconhece ter sido alvo de comentários menos agradáveis devido ao tamanho das suas orelhas. Mas há uma nova técnica capaz de corrigir este problema congénito e de lhe dar uma previsão do resultado mesmo antes da intervenção.

Já várias vezes pensou em fazer uma cirurgia estética, mas assusta-o(a) não saber de antemão qual resultado?

O Earfold é um novo implante que surge como alternativa à cirurgia: também corrige de maneira permanente as orelhas de abano, mas a intervenção demora apenas 20 minutos, é feita com anestesia local, tem menos riscos e complicações pós-operatórias e não é necessário usar uma ligadura à volta da cabeça.

O EarFold é o primeiro dispositivo médico para corrigir as orelhas descoladas com uma técnica minimamente invasiva; é alternativa à cirurgia habitual, a chamada otoplastia, uma vez que, também corrige as orelhas de maneira permanente.

Atualmente a Clínica FACCIA, em Lisboa, dispõe de vários sistemas que permitem prever a aplicação deste implante. Esta clínica é a única em Portugal que dispõe deste sistema de tratamento das chamadas orelhas de abano, também designadas de orelhas descoladas, sem recorrer a um processo cirúrgico, sempre mais doloroso.

A Clínica FACCIA e o médico Miguel Andrade, cirurgião plástico e diretor clínico da unidade, são os embaixadores do EarFold em Portugal.

Orelhas descoladas

Os estudos disponíveis revelam que 5% da nossa população tem orelhas descoladas e mais de metade admite ter sofrido troças relativamente ao tamanho e à forma das suas orelhas. "Para muitas pessoas, trata-se de um complexo que reduz a sua auto-estima e por isso procuram uma solução estética; contudo, nem todos se atrevem a fazer uma otoplastia, por causa dos riscos e das complicações que pode acarretar e do tempo de recuperação", frisa Miguel Andrade.

Este tratamento é "uma intervenção mínima com tratamento ambulatório que apenas requer 2-3 pontos, e muitos pacientes com orelhas descoladas, que sofrem de complexos desde há anos devido ao seu aspeto físico, interessar-se-ão por este implante", acrescenta Miguel Andrade. Segundo este especialista,  a maior preocupação destas pessoas é o resultado final, uma questão que na otoplastia é sempre difícil de prever, uma vez que depende de fatores que nem sempre se podem controlar.

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários